segunda-feira, 19 de junho de 2017

ITEP planeja Rede Agroecológica de Economia Solidária de Campos

Foto: Luiz Eduardo
Na quarta-feira (14), as assessoras da ITEP, Nilza Franco e Lara Martins, reuniram-se com a representante da Comissão Pastoral da Terra, Vilma Ramiro da Silva, na sala de reuniões da ITEP.

Na reunião de trabalho foi feito um estudo das conferências municipais ligadas ao tema da Economia Solidária, como Desenvolvimento Rural Sustentável e o do Movimento de Educação para o Campo.

- Estamos estudando os documentos, procurando as pessoas que participaram desses momentos, quais foram as propostas, para recuperar e preservar os dados. E estamos planejando a Rede Agroecológica de Economia Solidária de Campos – informou Nilza.

Registro: Wesley Machado

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Fórum Municipal de Economia Solidária em defesa do Rio Paraíba do Sul

Durante o  I Torneio Ecoanzol de Pesca ao Robalo no rio Paraíba do Sul, realizado na sexta-feira (9) em Campos dos Goytacazes-RJ, foi lançado o Movimento Pró-Robalo, que consiste na mobilização ambiental da Ecoanzol em prol da preservação das espécies de robalo presentes no rio Paraíba do Sul. A ITEP, por meio do Fórum Municipal de Economia Solidária, se associou à Ecoanzol na campanha em defesa do Rio Paraíba do Sul.

O Fórum participou do I Torneio Ecoanzol de Pesca ao Robalo com um estande no cais da Lapa. Na oportunidade, o Fórum expôs produtos da Economia Solidária, como doces da terra (chuvisco e goiabada) e artesanatos em geral.

O estande do Fórum recebeu a visita da secretária de Meio Ambiente do município de Carapebus, Sueli Conceição; e da 1° Sargento da Marinha do Brasil, Seção da Agência da Capitania dos Portos de São João da Barra, Letícia Correa Duro.

- No evento foi debatida a possibilidade da implantação do Banco Campos Palmas, um sonho do Movimento de Economia Solidária de Campos. Uma empresa que esteve presente ao evento pode se tornar parceira no projeto - informou a assessora da ITEP, Nilza Franco.

Reportagem: Wesley Machado (Com informações do site da Ecoanzol)
Foto e Imagem Ilustrativa: Divulgação

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Servidores da UENF organizam 2º Bazar para superar salários atrasados

Evento será realizado neste final de semana no Centro de Convenções 


Os servidores da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), com apoio do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Públicas Estaduais do Estado do Rio de Janeiro (Sintuperj), Associação dos Docentes da UENF (Aduenf) e Associação dos Servidores da UENF (Assuenf), realizam neste final de semana o 2º Bazar da UENF.

O 2º Bazar da UENF tem o objetivo de gerar uma renda extra para os servidores, que estão com os salários atrasados. O evento será realizado no Centro de Convenções da UENF, sexta-feira e sábado, das 9 às 21 horas; e domingo, das 9 às 18 horas. Entrada gratuita.

No local serão comercializados alimentos, vestuários, cosméticos, artesanatos, entre outros produtos de empreendimentos desenvolvidos por servidores da UENF.

Entre os empreendimentos confirmados estão: Cajuzinhos da Ezi, Bolo de Aipim da Joana, Divina Brigadeirisse, Dajuli Pavê, V & R Buffet e Refeições, Bendita Insônia Artesanatos em Geral, Cosmética Cabelo e Pele, Trópica Brewing Co., Aneethun Profissional, Anaflora Orquidáceas, Duncan Bijouterias, Jade Campos Arquiteta e Design, VJ Neves Aluguel de Mesas e Cadeiras e Paccelli Sarmet Consultoria Imobiliária. 

- Em um momento de crise, os servidores da UENF começaram a se organizar para entender o funcionamento da Economia Solidária como política pública - afirmou a coordenadora da Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Populares (ITEP) da UENF, Nilza Franco.

Reportagem: Wesley Machado

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Movimento Ecosol investe em organização de feira agroecológica


O Movimento de Economia Solidária de Campos, junto aos produtores rurais da região, está investindo na organização da Feira Agroecológica realizada às quintas-feiras das 7h30 às 12h30, em frente ao Centro Público de Economia Solidária, do Fórum Municipal de Economia Solidária, no final da avenida Pelinca.

- A feira está em construção e é um esforço muito grande do Fórum Municipal de Economia Solidária em dar visibilidade a esses trabalhadores. Esse espaço da Pelinca é um espaço de ocupação social, junto a patrimônio público do governo federal – informou Simone Gonçalves, da coordenação do Fórum.

Representante do Coletivo de Mulheres Regina Pinho, fundado em homenagem à integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), assassinada há três anos no Assentamento Zumbi dos Palmares, próximo à Usina São João, Ângela Maria Honório Martins, que comercializa sabonetes, pomadas e repelentes, aproveita o tempo livre para estudar mais sobre Economia Solidária.

A coordenadora de Saúde Alternativa do Centro Comunitário Beneficente (Cecobe), Cláudia Márcia de Azevedo Pereira, de 60 anos, que comercializa remédios naturais, produzidos com plantas como alecrim, salsa e manjericão, explica o que para ela é Economia Solidária. “É a união de pessoas que querem ajudar umas as outras, fazendo o bem e desenvolvendo um aprendizado”, disse Cláudia.

O agricultor do Assentamento Paz na Terra, de Cardoso Moreira, Luís Carlos da Hora, de 53 anos, começou a comercializar produtos na feira há duas semanas. Ele fala da experiência que está adquirindo. “Está sendo ótimo para os agricultores. É um incentivo para nós. O espaço é muito bom”, disse Luís, que comercializa produtos como aipim, laranja cidra (para doces), quiabo, mamão, maracujá, limão (galego e branco) e mexerica, entre outros alimentos.

Reportagem e Fotos: Wesley Machado

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Formação para Integrantes do Fórum de Economia Solidária em Campos dos Goytacazes


   Nesta sexta-feira, dia 26 de maio, integrantes do Fórum de Economia Solidária de Campos participaram da Oficina “Importância do Movimento de Economia Solidária em Campos dos Goytacazes: O papel dos Grupos de Trabalho (GTs).” O evento foi realizado pela Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Populares da UENF, enquanto assessoria técnica do movimento do Fórum junto aos trabalhadores de diversos segmentos, entre estes, artesãos, agricultores familiares, pescadores artesanais, confeiteiras, gestores públicos e outros ligados a este movimento. 

   Em um ambiente descontraído, os participantes foram envolvidos pelo clima de solidariedade e começaram a tarde lendo um “Cordel” que tratava sobre o tema, mas em forma de poesia. Em seguida houve uma palestra da Mestre em  Gestão de Políticas Públicas e parceira da ITEP, Nilza Franco, explicando o assunto. No segundo momento os participantes colocaram em pauta as dificuldades que passam em cada grupo e debateram caminhos para melhorar. 

   Em seguida foi a hora de colocar a mão na massa para que avaliassem se tinham entendido bem  a proposta da Economia Solidária, que existe em todo mundo. Os grupos foram desafiados a montar uma corrente com oito elos e quatro cores, só que cada grupo recebeu um kit onde faltavam materiais para o trabalho. Em poucos instantes perceberam que a única forma de concluir a corrente era trabalhar em parceira com o outro grupo e rapidamente começaram a compartilhar, não só os materiais, mas também as técnicas para fazer a corrente, provando que conseguiram absorver o conhecimento passado na oficina. Ao final os participantes trabalharam voltados separadamente para cada Grupo de Trabalho. Trataram estratégias de crescimento para cada um dos sete GTs (Comunicação, Mulheres, Comercialização, Articulação, Finanças, Projetos, Formação-Educação e Cultura).

  A artesã Sônia Maria Manhães ficou muito feliz com toda a oficina. “Foi um momento muito produtivo, onde de forma lúdica nós conseguimos aprender e compreender ainda mais sobre a Economia Solidária”, afirmou. Já a representante da Emater Rio, Luisa Barreto Saramago, também esteve presente e acredita que a partir da oficina, passou a ter um novo olhar sob a Economia Solidária. “Só participando de eventos assim e conversando com quem vive neste meio, a gente consegue entender que a Economia Solidária, pode de fato mudar a vida das pessoas”, comentou. 

   A oficina para os Grupos de Trabalho foi uma decisão dos integrantes do Fórum em Plenária, que acontece uma vez por mês. Ficou estabelecido que a qualificação é fundamental para garantir que a eleição de coordenadores capazes de melhorar o desempenho econômico de cada um deles. Na última sexta-feira, dia 19, outros integrantes do Fórum participaram da primeira etapa da oficina, também realizada pela ITEP, só que no horário da manhã.